CLICK HERE FOR FREE BLOGGER TEMPLATES, LINK BUTTONS AND MORE! »


.

EDUCAÇÃO INFANTIL E EDUCAÇÃO CRISTÃ PARA CRIANÇAS



Você é muito importante!

                             

Participe do Blog Com a Gente

terça-feira, 12 de novembro de 2013

Chupeta Prejudica Fala, Respiração e Mastigação de Bebês


Quando se pensa em bebês, é normal imaginar uma criança com uma chupeta entre os lábios. No entanto, as aparentes facilidades do produto podem não compensar. Além disso, o uso contínuo pode acarretar em diversos problemas para o desenvolvimento da criança.

O que os pais talvez nem sempre percebam é que o uso das chupetas é imposto por eles. Ela não é um item obrigatório de uso, tampouco é solicitada pelo bebê. "A chupeta é muito mais uma necessidade do adulto do que da criança", opina a psicóloga do Centro Educacional Miraflores, do Rio de Janeiro, Sandra Cerqueira. Segundo a especialista, a utilização do item tem muito mais relação com uma ansiedade e uma preocupação excessivas dos pais do que com uma real necessidade.

A chupeta é interessante para os pequenos porque lhes oferece tranquilidade e segurança. Isso ocorre porque ela tem um formato que lembra o bico do seio materno e o seu próprio uso remete à amamentação. Além disso, os bebês estão na fase oral, em que tendem a conhecer e utilizar os objetos introduzindo-os na boca. Portanto, a questão é que a criança não sentirá falta da chupeta, se não conhecer o objeto. Os momentos em que ele poderia ser útil são situações que podem ser resolvidas de outras formas.

De acordo com Sandra, o uso da chupeta não será necessário se os pais oferecerem um ambiente satisfatório para a criança. O mais importante é passar tranquilidade, o que ocorre quando se mantém uma rotina regular e se dá atenção, carinho e afeto. Além disso, é importante estar atento às necessidades dos pequenos, pois algumas vezes o choro pode ser sinal de fome, sono ou afins.

Uso contínuo prejudica o desenvolvimento da arcada dentária

Para alguns bebês, a chupeta funciona quase como parte da própria anatomia. Nos raros momentos em que não é utilizada, ela fica presa à roupa ou pendurada no pescoço do dono. Além disso, se perder, há diversas outras opções pela casa. Essa é, no entanto, uma situação totalmente equivocada, pois incentiva o uso.

Vale lembrar que os pequenos estão em pleno desenvolvimento, e a presença de uma chupeta constantemente dentro da boca pode alterar esse processo. De acordo com a presidente da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, Irene Marchesan, os danos causados pelo item dependem de três fatores principais: intensidade, duração e frequência. Além disso, a genealogia também influencia. Caso a criança provenha de uma família com prognatas ou pessoas de face alongada, ela terá uma tendência maior a ter deformações no desenvolvimento da arcada ou do rosto.

Conforme explica o consultor científico da Associação Brasileira de Odontologia, Rodrigo Bueno, a chupeta induz um posicionamento equivocado das arcadas, até antes mesmo dos dentes nascerem. O item interfere no encaixe dental, promovendo uma postura viciosa que, com o tempo, pode causar alterações na estrutura. Um exemplo de um problema que pode ocorrer é a aproximação das extremidades da arcada, em que os lados direito e esquerdo ficam mais perto um do outro, deixando a boca com um desenho curvo.

As alterações na arcada podem influenciar em diversas funções e necessidades da criança, uma delas é a mastigação. Como os dentes não estão posicionados de forma adequada, ocorre uma dificuldade na trituração adequada dos alimentos. Isso também ocorre porque a estrutura maxilar dos usuários de chupeta tende a ser menos exigida e, portanto, não se torna suficientemente forte.

Uma musculatura facial enfraquecida aliada aos problemas na arcada dificultam, ainda, no desenvolvimento da fala. Como a distância entre os dentes de cima e debaixo tende a ficar maior, há uma diminuição nos pontos de contato entre eles e, portanto, a pronúncia pode ficar mais confusa. A maior concentração de saliva na boca, causada pelo uso da chupeta, também contribui para isso. O sistema respiratório ainda pode sofrer mudanças com a utilização. Durante o uso do produto, a boca geralmente fica semiaberta, o que facilita a passagem de ar e, consequentemente, a respiração bucal.

Bico deve ser tolerado até no máximo os dois anos

Por mais tradicional que ainda possa parecer, menos crianças usam chupetas. Ao menos é o que aponta uma pesquisa divulgada pelo Ministério da Saúde. Segundo o levantamento, 42,6% dos pequenos utilizavam o produto em 2008, o que representa uma diminuição de 15,1% em relação à 1999. Negar o item, não é, portanto, nenhuma novidade, tampouco demonstração de falta de atenção nos cuidados com o bebê. Uma alternativa menos negativa para a criança são as chupetas ortodônticas, pois têm um formato parecido com o seio materno, o que facilita o encaixe entre os dentes. No entanto, a melhor opção é não oferecer o objeto ou tentar minimizar ao máximo o uso. Segundo a psicóloga, se não for possível evitar, a retirada deve ser feita até no máximo os dois anos.

Para tanto, o primeiro passo é reduzir o uso. De acordo com a psicóloga, não adianta criticar a chupeta ou dar muitas explicações para os pequenos. Isso porque eles ainda não têm uma noção clara do que é certo e errado e, além disso, distraem-se com facilidade. O melhor é falar de forma segura e objetiva, utilizando frases curtas, de forma que eles percebam que o hábito de utilizar o produto é inadequado. Fazer acordos ou chantagens não é uma boa escolha. Segundo Sandra, isso não funciona corretamente, pois os pequenos são ainda muito jovens para entender essas negociações e vão querer o produto de volta depois. O melhor é pedir eventualmente para a criança tirar o item e distraí-la com outros assuntos.



Fonte: Terra

Leia Mais: Dossiê Chupeta

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para o Blog!